Os últimos acontecimentos no Brasil têm tirado muita gente de casa para protestar. Nosso direito de manifestar as opiniões é garantido pela Constituição. Não temos visto pessoas ligadas a algum Partido. Inclusive, o que mais se vê são cidadãos que não tem nenhuma ligação partidária. Outro fato interessante, diferente de 2013, os atos de agora são pacíficos e com um número maior de pessoas (maior que Diretas Já em 1984 e Fora Collor em 1992).

O que tem acontecido na Política Nacional está refletindo diretamente na Economia. Lula é cogitado para Ministro, a Bolsa cai e o Dólar sobe. Juiz embarga a posse do ex-presidente, o mercado reage diferente e a Bolsa de Valores de SP tem a maior alta desde 2009.

Estamos cansados! O Brasil não pode mais ser saqueado em todas as esferas e de maneira tão organizada. Chega!

Conversando com bondespachenses que estiverem presentes no 13 de março último na Praça da Liberdade em Belo Horizonte, podemos perceber como a revolta é grande. Para Jusceliano (Preto), o motivo pela qual participou das manifestações foi a indignação com a atual política brasileira. “Não somente com o Partido dos Trabalhadores, mas com todos os políticos em geral. Participei para aumentar o número de pessoas a ser contadas, fazendo com que os governantes saibam que uma grande parte da população não está satisfeita com o clima de corrupção que nos assola”, diz ele.

Outro que esteve presente foi Flávio Renato, médico em nossa cidade. “O maior motivo de ir às ruas foi o fato de querer um Brasil melhor, para que consigamos justiça e que a corrupção seja tratada com perda de mandato e detenção de pessoas ou políticos que infringem esse propósito. Estamos iniciando agora uma nova era!”, afirma Flávio.

Alisson Rafael, comerciante na cidade, reitera seu motivo para protestar: “…nunca havia participado de manifestações, mas a insatisfação é tão grande que fui à BH por essa conta. Levei meus filhos para ensiná-los que quando não estamos satisfeitos com alguma coisa precisamos nos mexer, ajudar as pessoas que estão querendo as mesmas coisas que a gente. Ficar sentado esperando é injusto com as outras pessoas. Se todo mundo que está insatisfeito com o governo fosse pra rua o resultado seria muito melhor.”

Avaliando com Jusceliano o que podemos e devemos fazer para construir um País melhor, ele me disse que o primeiro passo seria mudar a Cultura da vantagem sobre o próximo. Segundo ele está impregnada na população brasileira. Além do mais, aprendendo a votar para o resultado de melhoria a longo prazo, pensando no Brasil do futuro. Pensando da mesma forma, Alisson reitera que o Brasil sofre de um grande problema cultural, onde o bonito é passar o outro para trás, furar fila, subornar o guarda de trânsito para não ser multado. “Os valores estão se invertendo cada vez mais”, diz ele.

Para o Dr. Flávio, a maior contribuição não seria apenas ir às ruas e usar verde amarelo, mas no outro dia praticar a cidadania, a honestidade, por que senão tudo que fez anteriormente não teria um valor concreto.

Por fim, Alisson Rafael reforça a ideia que “…para construirmos um país melhor primeiramente temos que educar nossas crianças, investir em educação, essa é a saída. Ensiná-los a serem honestos mesmo quando não estão sendo observados”.

MUDA BRASIL !

Nota do autor: todos os citados, inclusive eu, estivemos presentes nas manifestações de 13 de março de 2016 na Praça da Liberdade, capital mineira.

Posts Relacionados

Deixe uma resposta