A notícia de exploração de gás natural na região de Morada Nova (MG) já havia sido veiculada pelo Governo de MG no ano passado. O CREA-MG, em sua revista Vértice, edição de out/2010, publicou artigo explicando sobre a exploração. Veja no link http://migre.me/3N1Zh.

Nesse final de semana, 29 de janeiro, a empresa Global Geophysical Services, anunciou a assinatura de um importante contrato com a Petra Energia SA para um projeto de aquisição de dados sísmicos em terra na Bacia do São Francisco de Minas Gerais, Brasil.

Seus veículos e pessoa especializado fora visto em vários pontos da cidade fazendo aquisição de dados.

Foto Marcos Couto – eventosnettv.com.br

Petra contrata Global para sísmica no São Francisco

Foi assinado esta semana o contrato entre a Petra Energia e a Global Geophyisical Services para prestação de serviços de aquisição de dados sísmicos terrestres na Bacia do São Francisco. A empresa não forneceu o valor do contrato.

Em vez de explosivos, o levantamento sísmico utilizará como fonte sonora a tecnologia vibroseis,que consiste na utilização de caminhões vibradores. (Clique aqui para ver um pequeno documentário sobre esta tecnologia)

A campanha inicialmente contratada será para 6.000 km lineares de sísmica 2D com opção de mais 3.000 km.

“Estamos muito felizes com a contratação da sísmica e confiantes que ela nos permitirá conhecer a Bacia do São Francisco como nenhuma outra companhia neste país, já que detemos a maior concessão em área contínua por lá. Os planos da Petra continuam inalterados, pretendemos utilizar sempre as melhores tecnologias disponíveis, testar novas fórmulas e visões e otimizar a alocação de nossos recursos”, declarou Jonas Castro, diretor da Petra. Segundo ele, a companhia pretende iniciar uma campanha de perfuração de poços no São Francisco no primeiro semestre de 2011 e no período 2011/2012 a intenção é perfurar pelos menos 7 poços.

A brasileira Petra Energia tem participação em 53 blocos exploratórios de petróleo e gás, sendo 24 na Bacia do São Francisco e um na bacia do Amazonas, onde é a operadora com 100% de participação. A empresa possui participação de 30% em sete blocos na Bacia do Parnaíba e 49% em 21 blocos no Solimões, operados pela OGX e HRT, respectivamente. A área total concedida é de aproximadamente 143.000 km2 mas cai para cerca de 103.000 km2 se considerar apenas a área dos blocos ponderadas pelos percentuais de participação da Petra.

A norte-americana Global Geophysical Services, com sede nas cercanias de Houston, Texas (EUA) e representações em 15 países, é uma fornecedora mundial de serviços de aquisição sísmica terrestre, marítima e em zona de transição, além de processamento de dados e interpretação e em produtos de bibliotecas de dados multiclientes.

Fonte: geofisicabrasil.com.br

Posts Relacionados

Deixe uma resposta