Parece extremista demais não gerar nenhum resíduo na nossa casa ou empresa. Observando apenas a situação de Minas Gerais temos os seguintes dados(*):

• Lixo gerado (toneladas/dia): 17.592

• Lixo coletado (toneladas/dia): 16.011

• Destinação final adequada (toneladas/dia): 10.277

• Coleta per capita (Kg/hab/dia): 0,944

Ou seja, apenas 10 mil toneladas – das 17 mil produzidas diariamente em Minas – recebem descarte correto. O que ocorre com as outras 7 mil toneladas? São materiais descartados inadequadamente em rios, matas e bota-fora irregular, prejudicando sempre a fauna e a flora ao redor.

Em Brasília, a quadra 113 Sul se tornou algo como uma “ilha sustentável” no centro da capital do Brasil. O título faz referência às soluções encontradas pelos moradores para separar o lixo, reaproveitar os materiais e reduzir o volume de resíduos sólidos descartados no aterro sanitário.

Desde abril de 2018, todas as embalagens de vidro usadas nas casas de mais de 1,2 mil pessoas passaram a ser reaproveitadas ou enviadas às cooperativas de catadores. Outros materiais que também demorariam para ser degradados na natureza, como garrafas plásticas, ganharam novas utilidades e mais cuidado na hora da separação do lixo.

Em Bom Despacho, o Saul Pádua iniciou desde o dia 21 de junho um interessante projeto. A cada 10 litros de óleo de cozinha usado que ele receber, ele fornece 10 mudas de plantas frutíferas e hortaliças. Ao recolher o óleo, ele deixa de entregar para a natureza um verdadeiro veneno.

O óleo é capaz de matar a vida aquática. O óleo de cozinha possui uma densidade inferior à da água. Assim, quando os dois estão misturados, o óleo posiciona-se sobre a água, formando uma película capaz de causar problemas ambientais graves. A camada de óleo sobre a água prejudica a entrada de luz e de oxigênio. Dessa forma, os peixes passam a ter uma oferta menor de oxigênio disponível, o que pode causar sua morte. “Buscamos colaborar com o meio ambiente fazendo esse projeto com as mudas de hortaliças que produzimos”, explicou Saul à reportagem do G1.

Esta iniciativa do Saul demonstra como podemos nos organizar e resolver problemas graves com o descarte irregular de lixo em nossa casa.

(*) Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil, realizado pela Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe) – 2016

Fontes:
https://g1.globo.com/mg/centro-oeste/noticia/projeto-incentiva-troca-de-oleo-de-cozinha-usado-por-mudas-de-arvores-em-bom-despacho.ghtml
https://g1.globo.com/df/distrito-federal/noticia/especialista-explica-como-brasilia-pode-ser-uma-cidade-lixo-zero-leia-entrevista.ghtml
https://manualdaquimica.uol.com.br/quimica-ambiental/poluicao-provocada-pelo-oleo-cozinha.htm

Posts Relacionados

Deixe uma resposta