Existem duas formas das empresas crescerem: fazendo aquisições ou avançando com filiais em novos mercados. Pensando primeiramente na possibilidade de novas filiais, o risco está em não conhecer o local e de cara já se deparar com um concorrente local. E quando este concorrente local já se encontra estabelecido e funcionando há anos? Aí vem a outra opção, fazer aquisição ou fusão do concorrente.

Empresas no mundo inteiro trabalham assim nos seus planejamentos estratégicos. Um exemplo recente foi a compra da Monsanto pela Bayer. Ao invés da gigante alemã crescer sua área de biotecnologia, desembolsou alguns bilhões de Euros e foi a feira. A Monsanto agora pertence ao grupo e depois disso suas ações em bolsa até subiram.

Outro caso interessante ocorrido, há algum tempo no no Brasil, foi a compra do Refrigerante maranhense Jesus pelo grupo da Coca Cola. Os conterrâneos do Sarney bebiam mais da iguaria doce e enjoativa do que a Cola mais reconhecida do mundo. Para não perder espaço, a megacorporação foi lá e adquiriu o santo guaraná.

Em junho deste ano o Grupo Ânima informou a compra da Alis Educacional de Bom Despacho pelo valor de R$46 milhões, segundo reportagem do Jornal Estado de Minas. Com isso a antiga UNIPAC, depois Alis, agora terá a cor vermelha e a bandeira da UNA, antigo e tradicional centro universitário de Belo Horizonte.

A compra ocorreu devido a dois fatores preponderantes: gestão acadêmica e financeira integrada e, a Alis contabiliza um dos melhores desempenhos no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) em diversos cursos na região. Ou seja, para quem vendeu foi um excelente negócio (principalmente em tempos de redução de alunos pelo FIES) e para quem trabalha e ou estuda, estão agora em um ambiente universitário reconhecido por todo o Estado e bem consolidado.

A Alis deixou de ser a cabeça de lagartixa para se tornar o estômago de um jacaré. Ditados e divagações a parte, diretoria, professores, coordenadores, funcionários, estão de parabéns. Imagina a Sadia comprando a fórmula da coxinha do Xuá Lanches, além da soma em dinheiro envolvida, seria grande reconhecimento de capacidade e competência.

Que venham mais e novos grupos para nossa cidade!

Fonte: Jornal Estado de Minas, 29/06/2016
Colaborou com ideias: W.A. Silva Ninja

Posts Relacionados

Deixe uma resposta