O DNIT concorreu com uma tartaruga e perdeu. Todas as vezes que tive contato com eles ou com o seu irmão DER-MG, foi uma calamidade. Burocracia burra, lentidão, falta de foco, falta de respeito com o crescimento do país.

Imaginem o que vão conversar hoje a tarde em conjunto com o governador Anastasia, na relação abaixo (texto do ESTADO DE MINAS de hoje) não foi citado nenhum órgão de engenharia ou empresa de consultoria em engenharia. Sem técnica não terá resolução. Querem resolver na caneta e na política marketeira.

O impacto diário da falta de passagem nesse trecho trará mais de R$1 milhão de prejuízos, diariamente. Essa passagem é estratégica para atender todo o Leste do estado, empresas como Arcellor Mital, Usiminas, Vale, etc, devem se unir e fazer força para resolver. Conheço ótimos profissionais de estruturas de contrato e metálica que atuam nessas empresas que poderiam resolver o problema, em seguida eles poderiam reconstruir o sistema de ponte (duplicado) depois cobrar do Estado, na forma de retenção de impostos.

Vejam matéria completa do EM:

Empresários não querem demolição de ponte na BR-381 e ameçam fechar portas

 

Luana Cruz

Thobias Almeida – Estado de Minas

Publicação: 26/04/2011 11:22 Atualização: 26/04/2011 12:07

 

Reunidos num restaurante em Sabará o grupo afirmou que não acredita que o trabalho do Dnit vá obedecer o prazo de seis meses (Paulo Filgueiras/EM DA Press)
Reunidos num restaurante em Sabará o grupo afirmou que não acredita que o trabalho do Dnit vá obedecer o prazo de seis meses

 

Os impactos nas operações de carga e as perdas financeiras causados pela interdição da ponte no Rio das Velhas, no limite de Belo Horizonte e Sabará, na região metropolitana, deixam empresários e comerciantes temerosos. Na manhã desta terça-feira um grupo de proprietários de estabelecimentos da região, líderes comunitários, o prefeito de Sabará William Lúcio Goddard Borges (PV), e o secretário de obras de Santa Luzia se reuniram para discutir o futuro do comércio na área afetada pela interdição na rodovia.

O empresariado não quer a demolição da ponte, anunciada pelo Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit). Eles declararam na reunião que não confiam no trabalho do órgão para restauração da ponte no prazo de seis meses. A desconfiança dos empresários ameaça empregos na região. Alguns já anunciaram que podem fechar as portas ou parar a produção em fábricas.

Além de reclamar da demolição na ponte, os empresários exigem o reparo na Avenida Beira Rio, em Santa Luzia. O local é usado como desvio para veículos que trafegam na B-381, durante o período de interdição. Porém, a avenida apresenta muito problemas na pavimentação e não tem estrutura para receber o grande fluxo de carros e caminhões. Os comerciantes se ofereceram para disponibilizar recursos e ajudar na restauração da avenida.

O prefeito de Sabará vai participar à tarde de uma reunião com o governador Antonio Anastasia (PSDB) para tratar da ponte danificada sobre o Rio das Velhas. Também vão participar do encontro o vice-governador Alberto Pinto Coelho, os secretários de Estado de Transportes, Carlos Melles, e de Gestão Metropolitana, Alexandre Silveira; o prefeito de Santa Luzia, Gilberto Dorneles; o superintendente regional do Dnit em Minas Gerais, Sebastião Donizete de Souza, o diretor-geral do Departamento de Estradas de Rodagem de Minas Gerais (DER-MG), José Élcio Monteze, e representantes das polícias rodoviárias federal e estadual.

 

Posts Relacionados

5 thoughts on “Ponte no Rio das Velhas: o caos já traz prejuízos de R$1 milhão / dia

  1. Senhores,

    A Usiminas Mecânica, também sediada em Ipatinga, como fabricante e a RMG, ex-engenheiros da UMSA, projetista de pontes de conprovada experiência, poderão, certamente reduzir este prazo, construindo uma alternativa ao lado da ponte avariada.

    At/ Henrique

  2. fala não resolve tem que ajir rapido pois o povo esta sofrendo as consequenças e uma pouca vergonha tem que parar o estado pra tomar providencia mas quem sobra e comunidade sem onibus trajetos longos e sem hora pra chegar em casa altoridades tomem providencias estamos sofrendo o inpaquito

  3. Passei por lá no ultimo final de semana, e foram 45 min aprox., quase parando, em fila indiana. O transito por lá estava dificílimo.
    Esperamos melhorias o mais urgente possível.

Deixe uma resposta