2º Seminário da Agenda Mineira 2030

FIEMG / SECTES.MG

PROGRAMAÇÃO SEMINÁRIO DA AGENDA DO DESENVOLVIMENTO EM CIÊNCIA, TECNOLOGIA, INOVAÇÃO E ENSINO SUPERIOR DO ESTADO DE MINAS GERAIS

1 – Maiores Informações
Para encontrarem maiores informações, por favor, usem os seguintes endereços; macedo.ferreira@tecnologia.mg.gov.br ou  marcelo.goncalves@tecnologia.mg.gov.br

2 – Seminário temático
Local: Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais – FIEMG
Av. do Contorno, 4520 – Funcionários – Belo Horizonte – MG
Obs.: Poderá haver alterações no local do evento. Todos os senhores serão previamente informados sobre quaisquer alterações.

  • Dia 20 de setembro de 2010 (segunda-feira)
    • 9h30 – 12h00: Tecnologia Aeronáutica
      • Paulo Iscold (UFMG)
      • Denis Lima Balaguer (Embraer)
    • 14h00 – 16h30: Tecnologias da Informação e Comunicação
      • Virgílio Almeida (UFMG)
      • Ethevaldo Siqueira (Telequest)
    • 16h45 – 19h15: Metalurgia e meio ambiente (água)
      • Marcelo de Matos (ABM/CGEE) (De Matos Consultoria)
      • Virgínia Ciminelli (UFMG)
  • Dia 21 de setembro de 2010 (terça-feira)
    • 9h30 – 12h00: Energia renovável (solar)
      • Selênio Rocha Silva (UFMG)
      • Elizabeth Marques Duarte Pereira (PUC/GREEN SOLAR)
    • 14h00 – 16h30: Biotecnologia (fármacos)
      • Robson Santos (UFMG)
      • Alaíde Braga (UFMG/Farmácia)
  • Dia 28 de setembro de 2010 (terça-feira)
    • 14h00 – 16h30: Nanotecnologia (nanotubos de carbono)
      • Marcos Pimenta (UFMG)
      • Fernado Galembeck (UNICAMP)

3 – Maiores informações

macedo.ferreira@tecnologia.mg.gov.br ou marcelo.goncalves@tecnologia.mg.gov.br

4 – Considerações

O Estado de Minas Gerais sintoniza-se com as exigências da globalização, se prepara para tornar-se o estado líder na era da economia do conhecimento, criando condições para transformar conhecimento em riqueza gerando benefícios econômicos e sociais, representados pela produtividade empresarial e do trabalho, qualidade, competitividade, emprego e renda.

A dura luta e o enfrentamento diário em defesa de um adequado desempenho econômico e empresarial e que consome grande parte de nossas forças e dedicação, importantes questões nos atormentam a dada instante. Qual o nosso futuro? Onde estamos e para onde iremos? Quem seremos nós.

Na busca de sinais que evidenciem respostas minimamente consistentes, quais setores, quais aspetos, quais dimensões da vida social, política, econômica, cultural devem merecer atenção e cuidados por representarem o que trará ou portará, de algum modo, as condições que consolidarão o desenvolvimento econômico e empresarial, a redução das desigualdades e a instauração de um estado de bem estar social.

Minas Gerais possui um significativo patrimônio material, intelectual, institucional e simbólico capaz de alavancar o desenvolvimento. Aqui os objetivos do desenvolvimento científico e tecnológico e o desenvolvimento social são perfeitamente compatíveis e convergentes. Sob esta convicção, submetem-se as considerações em torno de uma “Agenda do futuro”.

Essa “Agenda do Futuro” só é possível, só é factível, só existirá se estiver – além de abrigadas nas políticas públicas de Ciência, Tecnologia, Inovação e Ensino Superior, subordinadas às diretrizes do “Plano Mineiro de Desenvolvimento Integrado (PMDI)”, no “Estado para Resultados”, nos “Plano Estratégico” e “Acordo de Resultados” da SECTES.MG – sob a chancela, a validação e ainda, se constituir em uma investidura e um patrimônio dos Empreendedores e dos Empresários Mineiros.

5 – Objetivos

Fundamentada nestas considerações, a SECTES está elaborando a “Agenda do Desenvolvimento em Ciência, Tecnologia, Inovação e Ensino Superior / 2030”, coordenada pela Superintendência de Prospecção Tecnológica e Monitoramento Estratégico e executado, dentre outras equipes, fundamentalmente pelo Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional – CEDEPLAR/UFMG.

O objetivo principal estruturar um Plano Estratégico Plurianual, pensando nos próximos 20 anos, voltado às áreas de Ciência, Tecnologia, Inovação e Ensino Superior em Minas Gerais. Os objetivos específicos são os seguintes:

  • prospectar as principais tendências científicas, tecnológicas e do processo da inovação contemporâneas;
  • identificar as vantagens comparativas, a capacidade instalada do Estado para a apropriação e o desenvolvimento de setores estratégicos do desenvolvimento científico e tecnológico, da inovação e do ensino superior;
  • propor um arranjo institucional e uma atualização do aparato legal, que garanta segurança jurídica e dotação de fonte de recursos para o desenvolvimento científico, tecnológico, do ensino superior e do processo de inovação de Minas Gerais.

6 – Construção da agenda

Inventariar a capacidade instalada em ciência, tecnologia e inovação em Minas Gerais, executado pela Superintendência de Prospecção Tecnológica e Monitoramento Estratégico da SECTES, com o apoio técnico do CEDEPLAR/ UFMG.

Avaliação do aparato legal e regulatório, institucional e financeiro de Minas Gerais que  apóia as atividades científicas, tecnológicas e de inovação e serviços técnicos científicos, com a finalidade de estabelecer um desenho legal, institucional e financeiro capaz de dar organicidade e maturidade aos diversos Subsistemas (público, privado e terceiro setor) que compõem a base do  Sistema Mineiro de Inovação.

Prospectar as linhas de força do desenvolvimento científico, tecnológico e da inovação contemporâneo capazes de ser implantados, mobilizados ou potencializados em Minas Gerais.

Nesta iniciativa, tomaram-se como fundamentos os estudos realizados pelo CEDEPLAR/UFMG desde 2000, identificando-se, em princípio, seis áreas de fronteira a serem prospectadas, que representam promissoras trajetórias para empreender e investir na inovação tecnológica no mundo, nas quais Minas Gerais detém amplas oportunidades de desenvolver, apropriar e constituir como relevante protagonista em escala local, nacional e mundial. As áreas consideradas são os seguintes:

  • Energia renovável (solar);
  • Nanotecnologia (nanotubos de carbono);
  • Biotecnologia (fármacos);
  • Metalurgia e meio ambiente (água);
  • Tecnologia aeronáutica;
  • Tecnologia da informação e comunicação.

O primeiro evento da “Agenda” aconteceu em junho passado e agora, em setembro, seus resultados serão discutidos, validados e abraçados como uma missão, compromisso e diretriz por todos os agentes privados, públicos e do terceiro setor, numa mobilização social, que segundo Celso Furtado, produza o desenvolvimento

Posts Relacionados

Deixe uma resposta