“Eu quero apenas olhar os campos,
Eu quero apenas cantar meu canto,
Eu só não quero cantar sozinho,
Eu quero um coro de passarinho,
Quero levar o meu canto amigo,
A qualquer amigo que precisar.

(Refrão)
Eu quero ter um milhão de amigos
E bem mais forte poder cantar
Eu quero ter um milhão de amigos
E bem mais forte poder cantar

Eu quero apenas um vento forte,
Levar meu barco no rumo norte
E no caminho o que eu pescar
Quero dividir quando lá chegar
Quero levar o meu canto amigo
A qualquer amigo que precisar

(Refrão)

Eu quero crer na paz do futuro,
Eu quero ter um quintal sem muro
Quero meu filho pisando firme,
Cantando alto, sorrindo livre
Quero levar o meu canto amigo
A qualquer amigo que precisar

(Refrão)

Eu quero amor decidindo a vida,
Sentir a força da mão amiga
O meu irmão com sorriso aberto,
Se ele chorar quero estar por perto
Quero levar o meu canto amigo
A qualquer amigo que precisar

(Refrão)

Venha comigo olhar os campos,
Cante comigo também meu canto
Eu só não quero cantar sozinho,
Eu quero um coro de passarinhos
Quero levar o meu canto amigo
A qualquer amigo que precisar”

Música Eu Quero Apenas, de Roberto Carlos.

Hoje acordei lendo um trecho dos escritos de Aristóteles onde ele dizia: “quem tem amigos não fica na miséria”. A frase não é tão significativa se pensarmos nos dias atuais, onde é muito fácil conseguir dezenas, centenas, milhares de amigos pelas redes sociais. O conceito “ser amigo” mudou para “estar conectado”.

Permitam-me contar um caso: recentemente o Wendell salvou um filhote de tamanduá. O danadinho havia perdido a mãe. Fiquei sabendo do caso vendo a foto do mamífero via Facebook. Pedi ajuda a um presidente de ONG em defesa dos animais, a um veterinário e a outro policial. Todos meus “amigos”, ou melhor, conectados via Facebook. Sabe quem ajudou? Ninguém. Se dependesse deles morreria na miséria.

Tenho 2.222 (dois mil, duzentos e vinte e dois) amigos no Facebook, número cabalístico que vai mudar até a publicação do texto no jornal impresso. Por sorte ou falta dela não consigo reunir e contar com os dedos das mãos o número deles que se relacionam comigo fisicamente com certa frequência. Talvez por eu ser antipático ou direto, não importa, não sou frequentemente provocado.

Um amigo desses 2.222 me procurou esta semana para uma reunião de bondespachenses. O encontro seria uma boa, os objetivos, me perdoem, contrariam os poucos valores que ainda tenho.

Enfim, quero ter 1 amigo, não 1 milhão, mas 1 amigo verdadeiro.

Pense nisso e boas amizades!

PS: o tamanduá vai bem, um amigo do Wendell ajudou com maestria.


Painel

Opinião do Especialista
Redes Sociais:nos últimos anos estamos experimentando uma nova realidade: o uso constante de redes sociais por pessoas das mais variadas classes sociais e áreas de atuação profissional. Essa situação pode ser entendida como positiva, pois através da utilização das redes sociais as pessoas têm a possibilidade de aumentar sua rede de contatos, buscar e trocar informações, além de interagir com pessoas e empresas de todo o mundo. Entretanto, o uso dessa mesma rede pode ser vista como negativa, pois pode acontecer divulgação indevida de informações pessoais ou, até mesmo, utilização excessiva com prejuízos à produtividade e imagem pessoal.De maneira geral, especialistas sugerem alguns cuidados na utilização das redes sociais, especialmente quando isso acontece no ambiente de trabalho. O primeiro cuidado indica que o usuário evite ao máximo expor dados pessoais, pois estes podem ser roubados e utilizados por pessoas com intenções maliciosas. Deve-se ainda ter bastante precaução antes de fazer qualquer postagem, pois uma vez publicado determinado comentário, foto ou vídeo, estes estarão disponíveis para qualquer pessoa com acesso liberado ao perfil do usuário. Neste sentido, é importante agirmos na rede social da mesma maneira como agimos no dia a dia, ou seja, não compartilhando informações privadas e pensando bastante antes de realizar postagens que podem causar situações constrangedoras.Tratando sobre o uso de redes sociais no ambiente de trabalho, deve-se inicialmente verificar a política da empresa em relação a isso. Quais horários de uso são permitidos? Que tipos de assuntos podem ser discutidos? Quais as regras a serem seguidas por todos os funcionários quando estiverem acessando a rede social? É importante ter em mente que a utilização excessiva de redes sociais no ambiente (e no horário) de trabalho será prejudicial principalmente para quem usa e, em determinados casos, pode até mesmo comprometer sua continuidade da empresa. Uma última sugestão consiste em não realizar postagens em nome da empresa ou publicar comentários que indicam insatisfação com colegas de trabalho, chefes, clientes ou qualquer pessoa relacionada diretamente com a empresa.É inegável que as redes sociais são importantes para as empresas, mas são os seus usuários que mantém a interação ativa neste ambiente. Portanto, não deixe de tomar os devidos cuidados e faça bom uso deste excelente “meio de comunicação” moderno.
Fale com o Especialista: Prof. Eduardo Melo /  educmelo@gmail.com

Nota do colunista: em outubro/2012 os textos voltam a ter notas do cotidiano de Bom Despacho.

Posts Relacionados

Deixe uma resposta