Uma mangueira, aniversário da cidade e o anseio pelo progresso

Desde quando me mudei para Belo Horizonte que acompanho uma mangueira às margens da BR 262, próxima ao povoado de Antunes, município de Igaratinga. Sempre imponente, com uma copa que deixaria qualquer árvore morrendo de inveja. Como havia invadido a pista, os galhos e folhas dessa copa foram moldados com a passagem dos caminhões e ônibus que passavam ali diariamente.

Bom Despacho pertencia ao município de Santo Antônio do Monte. No dia primeiro de junho de 1912, ouse seja, há quase 97 anos atrás, houve uma medida do governo estadual para o seu desmembramento. O título de cidade veio algum tempo depois. A critério de curiosidade, foi nessa mesma data que outra cidade, Divinópolis, também fora emancipada.

Para alguns desinformados, progresso é sinal de poluição, insegurança pública, aumento da população, enfim, está ligado muitas vezes com fatores que diminuem a qualidade de vida da população. Engano deles. Progresso é prover sustentabilidade e qualidade de vida, não necessariamente ocorrendo aumento de riscos sociais para a população como um todo. É um grande sinal de progresso a cidade ou região que consegue erradicar o analfabetismo, por exemplo. Ou que provê à seus habitantes uma diversificação na sua economia, permitindo assim que variadas profissões possam ser desenvolvidas. Bom Despacho tem 8% de analfabetos e sua economia permite gerar emprego para profissionais com doutorado ou apenas o ensino básico.

No último mês a mangueira, acompanhada por outras milhares de árvores de igual porte, foi morta pelo progresso, advindo das obras da rodovia que liga a aniversariante Bom Despacho à capital mineira.

Somente poderemos continuar a ter e elevar o fator de qualidade de vida dos munícipes bondespachenses, a partir do momento que tivermos uma agência de desenvolvimento atuante e com um trabalho sério. As instituições para levar a frente essa agência já se encontram instauradas: temos casas de serviço, associações de bairro, Câmara Municipal, Prefeitura, Ministério Público, cooperativas, etc. “Andorinha só não faz verão”, é preciso uma união de interesses e foco no desenvolvimento sustentável da cidade, abrangendo a todos.

Lembrança do aniversário da cidade em 1988: na ocasião o nosso município completava 76 anos de emancipação. Eu estudava na 5ª série do Colégio Tiradentes, a diretora era a D. Lourdinha Cardoso, quem organizava o desfile cívico da escola eram os professores de educação física, com certeza a matéria escolar que mais me dava trabalho. O professor dos meninos era o João Delfino, carinhosamente chamado por alguns alunos de João Manga Rosa, devido à tonalidade rosácea de sua cútis, principalmente quando o deixávamos agitado com nossas travessuras, que por sinal eram muitas. O prefeito Célio Luquine naquele ano inaugurava o Terminal Rodoviário, ao meu ver uma importante obra realizada pelo poder público, basta olharmos como até hoje existem deficientes rodoviárias de muitas cidades maiores que BD. Naquele desfile eu participava levando uma bandeira do Brasil. Quando passamos pelo palanque das autoridades levantamos as bandeiras, a fanfarra tocava mais forte. Foi algo memorável.

Alguns números da cidade em 2009:

População (senso do IBGE de 200): 42.260 habitantes (rural e urbano)

Área do município: 1.209 m2

PIB per capita: R$9.486,00

IDH (índice de desenvolvimento humano): 0,799

Produção de leite de vaca: 39.224 MIL litros

Professores no ensino médio: 147 profissionais

Altitude: 768 metros acima do nível do mar

Expectativa de vida: 76 anos

Para saber mais acesse: www.senhoradosol.com.br

Rápidas e Rasteiras:

Eleição na AMBFOM: foi realizada no último domingo eleição na Associação de Moradores dos Bairros de Fátima e Olegário Maciel, sendo reeleito para presidente o Sargento Vânio Sérgio Maia (Sargento Maia). A todos os membros da diretoria nossos votos de sucesso e que a comunidade participe e colabore.

100 anos de Bom Despacho:na reunião da Câmara Municipal do dia 25/05/2009 o professor Jacinto Guerra usou a tribuna livre para falar sobre a cultura e a situação do Museu da Cidade e sugeriu que fosse criada uma comissão especial para tratar das comemorações do centenário de nossa cidade. Muito oportuno.

Produção leiteira: na entrada de Pompéu tem um outdoor informando que o município é a capital mineira do leite. Será que nossa produção tem caído tanto assim? De qualquer forma para os pequenos produtores cada dia está mais difícil.

Expansão da Itambé: o bondespachense e presidente da Itambé, Jackson Gontijo Álvares, anunciou em entrevista ao jornal Diário do Comércio, edição de 26 de maio, os investimentos que a empresa fará ainda em 2009, totalizando algo próximo de R$60 milhões. “Entre os aportes da empresa estão a implantação de uma nova unidade de processamento de leite longa vida em São Paulo e ampliação da unidade de Pará de Minas”, informou a reportagem. A escolha de instalar a fábrica em São Paulo se deu basicamente pelos benefícios fiscais, com regime tributário diferenciado, onde o leite tem zero de alíquota do ICMS.

Ações do Centro de Cultura (CAC-BD): com atuação fervorosa dos seus membros e do seu presidente, o músico Boleka, a instituição está reestruturando as ações voltadas para a cultura, música e arte na cidade. Domingo, dia 31/05, acontecerá mais uma edição do Cine SESC Mosaico, às 19:00, no SESC, exibição do filme “Houve uma vez dois verões”, censura 12 anos. Entrada gratuita e ônibus gratuito oferecido pela Circulare e o itinerário está afixado nos ônibus. Dia 12/06, no dia dos namorados, haverá o 2º Sexta do Samba, com Cibele Oliveira, Boleka e Grupo Cesta do Samba, no SESC, às 21:00, entrada a R$ 3,00 (praticamente de graça pela qualidade do trabalho do grupo). Também o CAC fechou parceria exclusiva com as Tintas Maxvinil, que apoiará todos os eventos a serem realizados. Vida longa e próspera, toda a população tem a ganhar.

Responsabilidade da informação: recentemente dois jornais da cidade publicaram artigos falando da gripe suína. Em um deles, bem no seu editorial estava estampado a manchete “A gripe suína em Bom Despacho”. No outro a fotografia de uma criança beijando um porco e do lado um texto explicando sobre a doença. Não vi relevância e senso de utilidade pública, pois a forma com que a informação foi apresentada mais confundia do que contribuía. Outro caso berrante foi do blog de um ex-professor que fica o tempo todo depredando pessoas e instituições bondespachenses, muitas vezes confundindo o leitor. Por isso recomendo um remédio eficaz para situações assim: senso crítico, não aceitar qualquer informação de graça, questionar, buscar outras fontes como por exemplo: quando se tratar de informação ligada à área de saúde, procurar um médico reconhecido.

Ítalo Coutinho é Professor e Coordenador do Curso de Gestão Estratégica de Projetos e Empreendimentos da UNIPAC, contatos para essa coluna pelo e-mail engenharia@saletto.com.br

Posts Relacionados

Deixe uma resposta