Os Jogos Olímpicos existem há centenas de anos. Os novos jogos há pouco mais de um século. O desejo do ser humano de competir e mostrar que seu povo é melhor que o outro é ancestral e se traduz em equipes e atletas cada vez melhores. Quase todos os países da Terra têm representações, politicamente tem mais presença que outras competições pelo Globo (como Copa do Mundo, Formula 1, Jogos de Inverno, Xgames, etc).

Em 1984, jogos de Los Angeles, morava no Rua Martinho de Oliveira. Nessa rua tinha amigos como o Gaiola, Canivete, Facão, Juninho e Gilberto da Marlene, Matheus, Jailson, a família do Castelo de Greyscow, Vampirinho, Fabiana, Fábio, Marcelo e um tanto de garotos. Naquela época, não sei porque, a Márcia (irmã do Marcinho) resolveu fazer umas competições iguais aos jogos americanos da época. Tínhamos até medalhas feitas por ela e por outros meninos e meninas que viviam aquela época de ouro. No Mangueiras Bar trocávamos as tampinhas de Coca-Cola por figurinhas do Pateta (Disney) que compunham um álbum em formato de passaporte. Ideias mil passavam na cabeça da gente. E a vontade de estar em Loas Angeles e ver os jogos? Nem se fala, bom demais.

Recentemente em viagem por terras anglo-saxônicas estive no British Museum. É lá que está a pedra Rosetta que vemos nos livros de história. Andando de um lado para o outro parei na livraria daquele imponente guardião do conhecimento humano. O vendedor da loja me perguntou: Are you exciting with Olimpic Games in Rio? A pergunta (título em Português deste artigo) me soou tão estranha que em primeiro momento não entendi muito bem. Disse ao vendedor, um rapaz de 20 e poucos anos, que sim, que para nós brasileiros era razão de muito orgulho. Mas no fundo a realidade era que isso ainda não estava no nosso dia-a-dia.

Quando em 2009 o Brasil foi escolhido para sediar a Olimpíada de 2016, estava trabalhando, era uma tarde movimentada de muitos afazeres. Mas confesso que vibrei no momento da escolha. Tive uma sensação muito positiva e isso me animou muito, deixando uma energia boa me percorrer por alguns instantes.

A responsabilidade de receber confederações de vários países é muito grande. O Rio está tomando ações de Infra-estrutura e de Segurança pública para garantir uma recepção adequada a todos os participantes e visitantes. Com certeza será um marco para nosso País: a primeira vez que os Jogos acontecem em países em desenvolvimento.

Sempre vejo questionamentos se vale a pena fazer Olimpíada ou investir em Educação. Com a Copa e os Jogos de 2016 vamos precisar resolver vários problemas sociais, infra-estrutura e de relacionamento exterior. Isso nos trará um legado gigante de grandes oportunidades. É preciso saber aproveitá-lo. Vamos fazer os Jogos Olímpicos e investir cada vez mais em Educação, temos como concretizar esses 2 sonhos.

 

Pense nisso e bons projetos !

Painel

Errata: o título certo da minha coluna semana passada deveria trazer “leitor” e não eleitor como saiu, desculpem, eram as emoções das eleições ainda vibrando dentro de mim.

Embrapa: durante a posse do novo presidente da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Maurício Antônio Lopes, nesta segunda-feira, 15 de outubro, o ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Mendes Ribeiro Filho, reiterou a importância em dar continuidade e expansão às pesquisas da Embrapa em nível internacional. “A futura Embrapa Internacional primeiro seguirá todos os trâmites necessários para a sua criação. Em seguida, a empresa auxiliará no desenvolvimento de projetos de cooperação internacional, com o devido reconhecimento”, destacou o ministro. A nomeação de Lopes foi publicada na última quarta-feira, 10 de outubro, no Diário Oficial da União (DOU). O técnico é mineiro de Bom Despacho, engenheiro Agrônomo e pesquisador da Embrapa desde 1989. Entre suas principais funções estão a atuação como pesquisador em genética e melhoramentos de plantas. Maurício também já foi diretor de Pesquisa e Desenvolvimento da Embrapa, cargo que ocupou antes da nomeação.

Prefeitura 2013: Fernando terá a frente um grande desafio: lavar a cidade de 2 décadas de lambança. Sugiro um trabalho de muita organização e sempre conversando com todos os envolvidos. É preciso Governabilidade para seguir a diante. Competência não falta aos irmãos Cabral, será o salto quântico que BD precisava. “Diga-me com quem andas, que direi quem tu és”. Um ditado antigo mas que será preciso pensar muito sobre isso antes de escolher quaisquer uns para as Secretarias.

Opinião do Especialista
E você, está conectado?Recentemente, uma pesquisa britânica ouviu 500 crianças com idade entre 6 e 15 anos e 54% dos entrevistados afirmaram que usam o Google para sanar suas dúvidas. Outro dado interessante é que um terço dessas crianças também manifestaram que pesquisam seus trabalhos na internet por que acreditam que seus pais não saberiam ajuda-las em suas lições de casa.Isso pode soar estranho para alguns, afinal, desconsiderar a ajuda dos pais em detrimento de um site de pesquisa é algo inadmissível. Que pai e mãe é esse que não acompanha o desenvolvimento escolar de seus filhos? Segundo levantamentos desse estudo, a maioria dos pais deixam seus filhos realizarem pesquisas na internet tendo em vista suas ocupações laborais ou então porque não sabem a resposta.Apesar da tecnologia estar presente em boa parte de nossa vida, recentemente a pesquisa nacional por amostra de domicílio (PNAD) revelou que mais de 77,7 milhões de brasileiros acessaram a internet, isso equivale a 46,5% da população com mais de 10 anos de idade. Analisando os números, podemos aferir que menos da metade dos brasileiros ainda não possuem acesso a rede mundial de computadores.  Uma das dificuldades apontadas no estudo está relacionado aos preços dos equipamentos e serviços prestados pelos provedores/empresas de telefonia.Mas até onde vale a pena ter um computador e estar conectado? Recentemente tive a oportunidade de assistir o filme  CONFIAR (IMAGEM FILMES – 2010), o qual recomendo para todos os pais. Trata-se da  história de uma garota de 14 anos que vive “conectada”. No desenrolar da história a jovem ganha um notebook de aniversário e dali em diante a sua vida muda drasticamente. É a ficção mostrando a realidade de muitos jovens e adolescentes mundo afora.É inegável que a tecnologia vem revolucionando o mundo, encurtando caminhos e possibilitando explorar novos horizontes. Por outro lado, ela fez com que nos tornássemos mais vulneráveis, especialmente as crianças e adolescentes. Apesar de não concordar com essa exclusão digital existente no Brasil, onde mais da metade da população não tem acesso a internet, em partes vejo isso com bons olhos. Pelo menos as crianças que fazem parte dessa estatística, se dão ao luxo de poder contar com seus pais na hora de fazer a lição de casa, bem como são mais sociáveis, coisa que a tecnologia vem reduzindo drasticamente.
Fale com o Especialista: Wendell Silva – wendell.silvabd@gmail.com

A carona em Betim: a gente tem ideias, boas ideias e de vez em quando o espírito de porco aparece e nos faz ter ideias de Jerico. Uma das muitas que já tive (e de vez em quando ainda tenho) era pegar carona em Betim para visitar minha família em Bom Despacho. Tudo bem que a causa era nobre, mas o esforço não valia a pena. Ficávamos 2 ou 3 horas “pescando” caronas com uma placa escrita o nome da nossa cidade. Alguns passavam e faziam o sinal da Cruz. Numa dessas parou um Ford Fiesta Cina (ou era azul?). Pois bem, no banco de trás um buquê de flores. O motorista, muito conversador, fez a viagem passar num átimo. Contou-me quando foi estudar medicina em Cuba, que havia voltado para Minas e estava indo a Bom Despacho ver a família. As flores eram para a namorada. Naquele bate-papo bacana aprendi muita coisa que até hoje guardo como exemplo. Parabéns Sérgio Cabral, além de contribuir para meu final de semana em BD agora vai poder ajudar todo um povo como vice-prefeito! (PS: a artimanha das flores até hoje uso quando o clima esquenta, saibam que não existe mulher no mundo que não resiste a um lindo buquê).

Alô da semana: vai para o amigo Germano da Mercearia Paraíso. Não pude comparecer no sábado para comer o famoso tropeiro, mas prometo que da próxima vez que estiver em BD vou passar aí para experimentar dessa iguaria.

Semana que vem: Gestão de Projetos como filosofia de trabalho do novo prefeito.

Posts Relacionados

Deixe uma resposta